quarta-feira, 22 de julho de 2015

Palavras difíceis essas as do poeta.
Ele quer dizer tanto mas eu entendo tão pouco.
Sou leiga na arte de poetar, gosto de palavras simples, cotidianas como amar, gostar, beijar...
Pra mim são palavras comuns mas que expressam tanto e são de uma complexidade assustadora.
Sempre que me deparo com textos onde aparecem esse tipo de palavras tão genuínas, me permito sonhar, desejar, viajar sem mesmo sair do lugar.
De um ímpeto desejo até conhecer o autor de tais textos tão ousados, sim afinal,quem nunca se enrubesceu ao ler " Eu te amo" ou " Eu te quero"?
Quem nunca se deixou levar pela inveja ou pelo ciúme por saber que tais palavras não eram pra você?
Palavras que acariciam os ouvidos e o ego. Palavras doces e desesperadas, sensuais e ao mesmo tempo inocentes.
Adoro textos com palavras que me façam rir ou chorar...
Para isso poeta, não precisa filosofar, nem conhecer astrologia nem anatomia, basta usar o coração e sentir a pulsação que vem da sua mão enquanto você escreve.

Débora Garcia